Método Amaral/Benapar de capacidade de carga em estacas pré-moldadas circulares

benapar_metodo_ab_estacas_circulares_tabela_1[1]

benapar_metodo_ab_estacas_circulares_tabela_2[1]

Exemplo de cálculo pelo método Amaral/Benapar

benapar_metodo_ab_estacas_circulares_grafico_1[1]

benapar_metodo_ab_estacas_circulares_esquema_1[1]

benapar_metodo_ab_estacas_circulares_calculos[1]

Vantagens do método

Na fundação por estaca, o solo rompe sempre por punção sob a ponta da estaca, precedida por deslizamento entre solo e estaca ao longo do fuste. Diz-se, então, que a estaca rompe (se não há ruptura estrutural da própria estaca) quando atinge essa condição. A carga então aplicada é definida como carga de ruptura ou carga última da estaca.

Quando se examina o gráfico carga-recalque obtido de prova de carga, podem-se distinguir nele duas regiões. Na primeira, correspondendo ao deslocamento relativo entre o fuste da estaca e o solo circundante da ordem de alguns milímetros, há praticamente proporcionalidade entre carga e racalque. Na segunda, a relação entre carga e recalque deixa de ser linear, e a relação ∆ r/P passa a ser crescente com a carga P. Finalmente, na terceira região, os recalques crescem indefinidamente sem acréscimos de carga.

Essas regiões correspondem, no entendimento atual, respectivamente à mobilização de toda a resistência por atrito lateral, à mobilização da resistência de ponta acrescida ao atrito lateral e ao alcance da carga de ruptura.
A BENAPAR desenvolveu método de cálculo que leva em conta a forma da curva carga-recalque, método este verificado através da análise das provas de carga de seu banco de dados, e coloca a disposição de seus clientes.